Siga por e-mail

Seguidores

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

A Sombra








Sombra


Encontre o poder escondido em você mesmo e viva melhor
Os pequenos hábitos difíceis de mudar como exagerar na comida, na fofoca ou na critica aos outros podem ser o lado sombrio da nossa consciência, que ignoramos e precisamos encarar. O "assaltante" de geladeira que boicota a dieta, o consumista que se afoga em dívidas, o desempregado acomodado... São muitos os exemplos, na esfera íntima ou coletiva, pessoal, institucional ou corporativa. Tudo aquilo que escondemos dos outros e até de nós m
esmos, mas de que não podemos fugir é a nossa "sombra".
Você está preparado para lidar com a sua sombra?
De acordo com o livro "O Efeito Sombra", de Deepak Chopra, Debbie Ford e Marianne Williamson, Ed. Lua de Papel, nossa sombra é feita de pensamentos, emoções e impulsos que julgamos excessivamente dolorosos, constrangedores ou desagradáveis de aceitar. Portanto, em vez de lidar com eles, nós os reprimimos - e os lacramos em alguma parte de nossa psique, para que não seja preciso sentir o peso e a vergonha que carregamos por conta deles. O poeta e escritor Robert Bly descreve a sombra como um saco invisível que cada um de nós carrega nas costas. À medida que crescemos, colocamos no saco todos os aspectos de nós mesmos que não são aceitáveis para nossos familiares e amigos. Bly acredita que passamos as primeiras décadas da vida enchendo esse saco, depois, passamos o restante tentando tirar tudo o que escondemos.
Nossa sombra, repleta de retóricas e um conjunto hipócrita de regras que nunca conseguimos seguir, nos conduz a glorificar alguns e excomungar outros. Tudo começou com o professor que nos chamou de imbecil, com o garoto que nos intimidava ou o primeiro amor que nos abandonou. Todos já escondemos e reprimimos momentos de vergonha e, com o passar do tempo, essas emoções se solidificaram, transformando-se em nossa sombra. São os medos não manifestos, a vergonha aterrorizante, a culpa excruciante. Todos são assuntos do passado que nunca enfrentamos. Eles podem surgir em um momento decisivo, como acontece na maior parte das vezes, ou podem se acumular ao longo dos anos pela negação. Conforme a sombra toma forma, começamos a perder acesso à parte fundamental de nossa verdadeira natureza. Nossa grandeza, compaixão e autenticidade são sepultadas sob as partes que desligamos de nós mesmos. Então, a sombra toma a frente. Ela nos tapeia para acreditarmos que somos muito indignos, incapazes, desmerecedores de amor ou imbecis para sermos os grandes astros da nossa própria vida.

O efeito sombra
É nosso lado sombrio - o lado reprimido e os aspectos repudiados de nossa personalidade - que nos separa do verdadeiro eu. O fato é que qualquer coisa que tenhamos ocultado por vergonha, ou negado por medo, passa a ser a chave do eu que nos faz sentir orgulhosos, um eu que nos inspira, que está impulsionado a agir com grande visão e propósito, em vez daquele que é criado com base em nossas limitações e feridas abertas do passado. Esse é o motivo pelo qual precisamos examinar a sombra. É por isso que precisamos desvelar e reivindicar nosso eu pleno, nossa verdadeira natureza. Por isso temos de olhar para dentro e examinar os fundamentos de nossa vida. Escondido ali há um marco, um molde, uma visão do eu autêntico.
Imagine que cada característica, cada emoção, cada pensamento sombrio que você tenta ignorar ou negar seja como uma bola de praia que você segura embaixo d'água. Você pega o eu egoísta, o raivoso, o excessivamente bom, o não tão bom assim, o tolo, o convencido - todos eles - e, subitamente, está oprimido com todas essas bolas de praia que tenta segurar. Se você ainda é jovem, tem bastante energia para conseguir administrar muitas bolas - consegue reprimir muitas das características indesejadas. Mas, depois, quando está cansado, de coração partido ou doente; quando abaixa a guarda; quando já tomou drinques demais... de repente, bum! Você faz algo sem pensar e uma ou mais bolas emergem e o atingem no rosto. Esse é o efeito sombra.
E podemos ter certeza de que o efeito sombra surgirá no momento menos oportuno - quando estivermos à beira do sucesso financeiro ou vivendo um novo romance; a poucos dias de nos aposentar ou prestes a fechar um negócio que poderia mudar nossa vida para sempre. Esses são os momentos em que sabotamos o próprio sucesso, conscientemente ou não, quando uma escolha feita sob a névoa da inconsciência mina o progresso pelo qual trabalhamos durante anos.
Se quisermos evitar o efeito sombra, precisamos fazer uma verificação da realidade diariamente, observando se estamos agindo de maneira que pode nos envergonhar, constranger ou destruir família, carreira, saúde ou autoestima. Precisamos acordar e prensar se estamos escondendo ou negando uma vida secreta; temos de nos conscientizar de nossos hábitos, comportamentos ou maneiras de ser que talvez estejamos escondendo dos outros.
Integração da sombra
Talvez você já seja capaz de reconhecer que a sombra é uma parte indestrutível de quem somos. Não importa quanto nos esforcemos, jamais teremos êxito em nos livrar dela ou silenciar sua presença. No entanto, temos a chance de decidir se queremos permitir que ela destrua nossa vida e nos roube de vivenciar nossa grandeza ou se vamos tirar dela toda a sabedoria e usá-la para nos impulsionar à versão mais extraordinária de nós mesmos. Todos já saboreamos a doçura do amor e o azedume da decepção da perda, a amargura que fica depois de ter o coração partido. Cada uma dessas experiências faz parte de nossa receita única e divida. Não seríamos quem somos sem elas.
Nossa mente nos diz que o mal é mau, que o bem é bom, e que jamais poderemos ser tudo que sonhamos, mas, se nossa sombra pudesse falar, ela nos diria o contrário. Ela nos diria que a luz mais radiante só pode brilhar quando tivermos aceitado a escuridão. Ela nos tranquilizaria de que há sabedoria em cada ferimento. Mostrar-nos-ia que a vida é uma jornada mágica para fazer as pazes tanto com nossa humanidade quanto com nossa divindade. A sombra nos diria que merecemos mais, que somos importantes, que somos mais do que poderíamos sonhar e que há luz no fim do túnel.
Ao abraçar a sombra, descobrimos que estamos vivendo em um plano divino, tão importante e tão vital para a evolução quanto para a evolução da humanidade. Assim como uma flor de lótus nasce na lama, precisamos honrar as partes mais sombrias de nós mesmos, e as nossas experiências de vida mais dolorosas, pois são elas que nos permitem o nascimento do mais belo eu. Precisamos do passado turbulento e enlameado, da sujeira da vida humana - da combinação de cada mágoa, ferimento, perda e desejo não realizado, misturada a cada alegria, sucesso e bênção, para nos dar sabedoria, perspectiva, e nos conduzir a ingressar na mais magnífica expressão de nós mesmos. Essa é a dádiva da sombra.
Bibliografia - "O Efeito Sombra", de Deepak Chopra, Debbie Ford e
Marianne Williamson, Ed. Lua de Papel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.