Siga por e-mail

Seguidores

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Quem são os Grigoris?

Grigoris
Raça de Seres Espirituais que guardam os portais de entrada e de sáida da dimensão física

Encontrado na Stregheria e comum para várias tradições da Bruxaria Moderna, são o conceito dos Guardiões, que são vistos de forma diferente pelos vários sistemas mágikos. Vamos ver o conceito mais antigo dos Guardiões, datado dos Cultos Estelares. Entre os Streghes este Seres são chamados de Grigori, particularmente para as Bruxas Tanárricas, que são conhecidas como “Bruxas das Estrelas”. A Tanarra preservou os antigos Mistérios Estelares, e é através de seus ensinamentos que poderemos ter um entendimento melhor de quem os Guardiões/Grigori realmente são.




Nos antigos Cultos Estelares da Pérsia haviam quatro estrelas “reais” (conhecidas como “Senhores”) que eram chamados de Guardiões. Cada uma destas estrelas reinava sobre um ponto cardeal. A antiga forma ritual dos Guardiões é feita com a invocação no momento de fechar o círculo mágiko. Há uma ligação definitiva entre os “poderes” das bruxas e a “visão” dos Guardiões. Assumir a posição do Guardião é invocá-lo dentro de sua Psique. A Estrela Aldebaran, quando marcava o Equinócio de Primavera, tinha a posição do Guardião do Leste; Regulus, marcando o Solstício de Verão, era o Guardião do Sul; Antares, marcando o Equinócio de Outono, era o Guardião do Oeste; Fomalhaut, marcando o Solstício de Inverno, era o Guardião do Norte.


As torres foram construídas como símbolos dos Guardiões para que fosse feita sua adoração e também para propósito de invocação. Durante o “Rito de Chamada”, estes símbolos eram traçados no ar, usando tochas ou as varinhas e os nomes secretos dos Guardiões eram chamados.


Na Bruxaria Italiana, estes Seres Antigos são Guardiões dos Planos Dimensionais, Protetores do Círculo de Poder e eram testemunhas dos ritos. Cada um dos Grigori tem uma “Torre de Observação” que é um portal marcando cada um dos quadrantes do círculo mágiko. No conhecimento das bruxas italianas as estrelas eram vistas como os campos das legiões dos Grigori.



No Mythos Aridiano , eles eram os Guardiões das Quatro Entradas para os Reinos de Áster, que era o local da morada dos Deuses. Para que se realmente entenda os Grigori, precisamos olhar para seu papel na Bruxaria como uma religião. Nosso primeiro encontro com eles é no momento de fechar o Círculo para fazermos nossos ritos. Os Guardiões são chamados, ou invocados, para guardar o Círculo e testemunhar o ritual.


Os guardiões qualquer que seja o nome cultural empregado, já eram conhecidos na antiga Mesopotâmia muita antes dos celtas ou italianos virem, a saber, da sua existência.
Os guardiões formam um conceito comum a maioria das tradições mágicas, apesar de serem vistos de modo diferente pelos diversos sistemas de magia.
Neste texto tentarei remontar a origem dos guardiões aos primitivos cultos estelares.
O sistema de magia que mais se manteve fiel a sua tradição, não permitindo se deixar influenciar por outros sistemas de magia vindo de outras culturas é a magia Strega (Italiana). No sul da Europa os bruxos da Strega mantiveram-se fieis aos antigos mistérios estelares.
No folclore bruxo da Itália, os Guardiões são citados num antigo mito strega, que fora recontado no livro “Aradia o Evangelho das Bruxas”. Neste livro encontramos o seguinte trecho: “Então Diana dirigiu-se aos pais do inicio, às mães, aos espíritos que existiam antes do primeiro espírito...”. Estes espíritos são os chamados de Grigori na Itália, também conhecidos como os Guardiões, e em outras tradições são chamados os Antigos.
Os Guardiões formam uma antiga raça que evoluiu para além das necessidades da forma física. Segundo algumas tradições, eles viviam, há um tempo, sobre a terra e pode muito bem ser a origem da lenda da antiga Atlântida ou da Lemúria. Em algumas lendas, diz-se que os Guardiões teriam uma ligação com o Antigo Egito. Nos mitos de iniciação egípcia, uma das frases-chave para acessar o templo era: “Apesar de ser um filho da Terra, minha raça vem das estrelas”.
Nos antigos Cultos Estelares da Mesopotâmia, havia quatro estrelas “Reais” (conhecidas como Senhores), as quais eram chamadas de Guardiões. Cada uma dessas estrelas “regia” um dos quatro pontos cardeais comuns à ASTROLOGIA. Esse sistema único deve datar de aproximadamente 3000 ªC. A estrela Aldebaran, quando assinalava o Equinócio de outono, mantinha a posição de Guardião do Leste. A estrela Regulusdeterminando o Solstício de verão, era o Guardião do Sul. A estrela Antares assinalando o Equinócio de Primavera era o Guardião do Oeste. A estrela Fomalhaut marcando o Solstício de inverno era o Guardião do Norte.
Torres com os símbolos dos Guardiões foram erguidas como forma de culto, e seus símbolos eram ali depositados como forma de devoção. Tais torres eram chamadas de Zigurates (Montanhas Cósmicas). Durante os “Ritos de Chamada”, os símbolos dos Guardiões eram traçados no ar, de cima das torres, usando-se tochas ou bastões de rituais e seus nomes secretos eram pronunciados.
Nos Mitos estelares os Guardiões eram deuses que protegiam o céu e a terra. Sua natureza bem como seu nível foi alterado pelos sucessivos cultos lunares e solares que substituíram os cultos estelares.
Os gregos acabaram rebaixando os Guardiões estelares aos Senhores dos quatro ventos. Os cristãos, que sucederam os gregos, por sua vez, rebaixaram os Senhores dos Quatros ventos as principalidades do ar.
Hoje na Tradição eles são os Guardiões das Torres de Vigia ou observação. São a Guardiões dos planos dimensionais, protetores do circulo sagrado do ritual e testemunhas dos ritos.
Os Guardiões protegem os portais para os reinos astrais e permitem ou não a entrada e o estabelecimento de energias conforme as ordenações do mago.
 Em tempos remotos uma torre era uma unidade militar de combate, e uma torre de vigia era uma unidade de guarda e defesa.
Cada um dos Guardiões rege uma torre de vigia, que representa um portal assinalando as quatro direções.