Siga por e-mail

Seguidores

Páginas

domingo, 31 de maio de 2015

Fada Morgana




Morgana representa na lenda arturiana, a figura de uma Deusa Tríplice da morte, da ressurreição e do nascimento, incorporando uma jovem e bela donzela, uma vigorosa mãe criadora ou uma bruxa portadora da morte.
Há versões conflitantes sobre quem o que foi Morgana. O historiador e cronista do século XII, Geoffroi de Monmouth, escreveu que "sua beleza era muito maior do que a de suas nove irmãs. Seu nome é Morgana e ela aprendeu a usar todas as plantas para curar as doenças do corpo. Ela também conhece a arte de mudar de forma, de voar pelo ar...ela ensinou astrologia às irmãs."

Relatos antigos contam-nos que ela era uma Velha Deusa da Sabedoria, a Senhora e Rainha de Avalon, a Alta Sacerdotisa da Antiga Religião Celta. Aprendeu magia e astronomia com Merlim. Alguns achavam que ela era uma "fada arrogante", pois era símbolo de rebeldia feminina contra a autoridade masculina. Quando zangada, era difícil agradar Morgana; outras vezes, podia ser doce, gentil a afável. Também era descrita como "a mulher mais quente e sensual de toda a Grã-Bretanha."

Morgana era um enigma aos seus adversários políticos e religiosos. Os escrivões cristãos transformaram-na em demônio, talvez devido ao seu papel como sacerdotisa de uma Antiga Religião, que eles estavam tentando desacreditar nas suas investidas para cristianizar a estrutura de poder da Grã-Bretanha. Ela, entretanto, defendeu valentemente a fé das Fadas e as práticas dos druidas, achando entre os camponeses simples seus mais fiéis seguidores. Ela negou as acusações de prostituição dos monges e missionários cristãos.
É Morgana, que depois da batalha final, ampara o irmão ferido de morte e o cuida com o zelo de uma mãe e consoladora espiritual.
O cristianismo menospreza o poder e o conhecimento de Morgana, do mesmo modo com que impediu a mulher à ascender ao sacerdócio, anulando completamente o seu poder pessoal.

domingo, 3 de maio de 2015

Um rosto na vela

 Poxa...quanto tempo não escrevo.
Aconteceu tanta coisa...
Bom... falamos disso em outro momento.

Esta semana ao meditar à tardinha,(horário que escolhi devido ser mais calmo aqui em casa, já que meu filho está na escola) acendi uma vela de alecrim para Nicnevin. E tive a impressão de ver uma anciã em minha vela. Tirei uma foto para vocês.
Vocês conseguem visualizar?


A vela é um símbolo dos quatro elementos: ao tocarmos sua estrutura, entramos em contato com o 
elemento terra; quando a acendemos, entramos em contato com o elemento fogo; a leve fumaça que sai dela nos conecta com o elemento ar e a cera derretida nos conecta com o elemento água. 

Para trazer algo para nossas vidas, untamos a vela da base para o pavio, mentalizando o que queremos trazer para nossa vida. Já para banir, untamos do pavio para à base.




Alana.